Pânico na TV, 8/11/2009: longa-metragem?

Superrr Pânico na TV, tanto no pessoal quanto no profissional, bicho!Há 2 semanas estou fazendo posts horrendos e tendo zero comentários em todos os meus blogs – nem mesmo o pessoal que quer passar na passarela do Vildomar Batista aparece mais, nem mesmo os spambots gringos me elogiando laconicamente pelo conteúdo das postagens. Profissionais querendo desenhar os meus personagens, menos ainda… Mas agora é diferente, isto falo a toda gente, pois chegamos ao nosso divisor de águas de cada semana, e vamos mostrar o que rolou no últimoooo… Pânico na TV!

Ah, um detalhe: Comecei a gravar o programa meia hora mais cedo. Mas ainda tenho impressão de ter perdido alguma coisa – achei que iria pegar o momento Pânico 5 anos, e peguei já um dos primeiros merchãs. Será que este programa então teve 3 horas de programação, “no duro”, como diria o Sylvio?

– Uma coisa muito estranha. No bloco de comerciais, um comercial da Uniban falando a respeito do ‘caso Geize’ (“Educação se faz com responsabilidade social, não com complacência”, diz o locutor, certamente de bochechas rubras) foi exibido com estranhos problemas no áudio e vídeo, parece que alguém estava tentando censurar o comercial… como eu mesmo faria, se estivesse presente, dando mute e rec-pause no bloco de comerciais, afinal o vídeocassete é meu e eu não estudo em universidades que tiraram nota E no Provão. Só que lá mesmo, na emissora. Muito estranho.
[Talvez possivelmente o público-alvo do Pânico na TV não concordasse com as opiniões da universidade e pudesse fugir da RedeTV! caso assistisse aquilo, sei lá… O próprio programa não fez nenhuma referência à esse caso. ]

[UPDATE: No dia seguinte, a Uniban recua da decisão de expulsar a aluna. O que abre mais uma hipótese da ‘censura’ desse comercial, o arrependimento da universidade de mandar pôr isso no ar, sei lá…]

Não sabemos em que momento aconteceram os picos de audiência desta edição.

Fonte: Ibope / RedeTV!iMarília GabriHerpes começa mostrando a “briga virtual” entre Roberto Injustus e Luciana Gimenez no Twitter. A última, interpretada por um produtor do Superpop que já fez isso no próprio programa, e muito bem. Pra completar, o videografismo acompanha o padrão do Twitter…
Raiane dos Santos explica o caso do antidoping. Sò não entendi o que tinha a ver os cacos de vidro. E, curiosamente, surge um estranho paralelo entre Rainane e outro integrante deste programa. E Dinho Olho Preto (Carioca, sempre em grande forma) fala sobre a queda do palco.
No fim, Gabi (Carioca, já que Ceará está como Justus) se irrita com a briga via Twitter, uma vez que os dois estão ali, um do lado do outro, e arrebenta os notebooks (e o meu irmão, que sofre com um notebook safra 2004 caindo aos pedaços “agradece” essa cena…). Mas eles partem para os blackberries…  A imitação de Luciana Gimenez twittando em inglês no blackberry faz Emílio rir no merchã seguinte. Essa Luciana Cover tem que voltar!

O Mijo & o Bicho – pela primeira vez anunciado por Emílio Surita, até então, entrava de sopetão. Agora sim é inédito, e com novidades no formato. Desta vez, são soltos 3 animais diferentes no banheiro. Dois deles, em especial, metem medo, porquê podem ser mais perigosos do que a média quando assustados. Mas ao contrário do Bola, e de mim quando como alimentos condimentados, aparentemente ninguém saiu pherido.

O Fã, desta vez, mais famoso do que a média. Ele abordou, no Rio de Janeiro, Chico Buarque (tem mais uma música dele, mais adiante, neste programa) e Danielle Winits na praia. E estas duas incursões foram noticiadas pelos papparazzi que observavam os mesmos, e noticiadas pela Globo.com. Mas o que aconteceria a seguir ninguém esperava: Betty Faria, que agora é uma atriz SBTal (vocês sabiam? Ela vai fazer Uma Rosa com Amor, remake escrito por Tiago Santiago), recusa o autógrapho por se incomodar com a potência vocal do nosso anti-herói. Talvez seja a segunda ou treceira baixa, apenas, do Fã.

Arena Gladiator. Um merchã safado e ordinário disfarçado de quadro de humor. Seria isto o começo da consolidação de uma derrota? Quando o Pânico na TV começou, em 2003, seu principal anunciante era a Dolly, empresa que se notabilizou por suas diferenças com a Coca-Cola – chegando inclusive a levar seus diretores à uma CPI em Brasília. Com o tempo, o que aconteceu: a Dolly foi substituída pela Kaiser, marca de cerveja do grupo, que passou a investir pesado no programa, como vimos. E agora a marca Gladiator, de um energético também é suntuosamente apresentada. Eu pergunto: Quanto tempo demorará para o Pânico fazer os comerciais e merchandising da própria Coca-Cola, selando assim uma ‘vitória moral’ desta sobre a hoje um tanto esquecida Dolly?… (Tem coisas, *blam*, que só o SodTV! escreve pra vocês)

“Rotten Tomato” Vesgo & “Passed Away” Sylvio na Passeata dos Zumbis. Cadê Salsicha e Scooby, que são desse mètier há mais de 25 anos?…
Essa passeata é mais um flash mob internacional assim como outros já cobertos pelo programa. Maquiagens assustadoras ou mesmo criadas pela própria natureza dão o tom – ou quase, rolou até um inesperado cosplayer do Dr. Robotnik, do Sonic, que eu reconheci logo de cara.

Pânico Delivery. Emílio diz que é um dos melhores de todos os tempos. Também, o cara que eles pegaram…

– Qual é o seu nome?
– Pra você é Kevin. Qué vim transar comigo?…

Leandro “Tifo”, um barman, cheio dos truques – inclusive corporais (como o “ventosamento” de latas de energético usando a testa e tomar copos de bebidas usando somente a boca, etc, etc…) e mais piadista do que o Timão do Rei Leão tomando aquele drink do Dumbo. Ah, pra completar o festival de tosqueiras, ele faz umas danças bem avançadas com as Panicats, ao som de forró… GOSPEL!!! Tá, não completou ainda, falta entrar na limusine.
Tifo desanca as Panicats em uma sequência que deixa “Asmuié e Uzômi” do Humor Tadela no chinelo.

– Cê passa o quê aí [nas pernas], água oxigenada?
– Não, meus pêlos são assim, loiros…
– Já que é pra mentir, minha mãe é virgem!
– Então, tá tudo certo, pronto…

Tifo é quase um intelectual da noite. Se ele fosse blogueiro, seria mais lido que muita gente que eu conheço… Apesar de breaco, ele consegue levar muito bem os lances dos drinks. Faltam ainda as cerejas em cima do bolo: o encontro com a mãe dele, séria candidata á uma Pegadinha do Mução. Em casa, eles fazem novamente o lance do ‘prato do dia’, que desagrada, mesmo sendo 100% comestível (ao contrário do que vem aí, no quadro do Amaury Dumbo). Bem assistible, mas já ri muito mais com outras edições.

Amaury Dumbo no lançamento do livro Deu no Blogão, de Aguinaldo Silva. Só que muitos dos entrevistados eram n00bs nesse quadro e sequer o conheciam. Mas o que veremos não é apenas uma mera reportagem de colunismo social. Ás vezes é uma obra de arte.
Vou TENTAR descrever: Freddie Mercury Prateado vira  um “televisor duplo”, e em seus olhos, imagens que não tem nada a ver com nada, entre elas um gordinho adolescente falando em russo (ou algum idioma eslavo), em tom provocador. Durante uns 30 segundos.
Uma novidade é que quando um artista se recusa a ser entrevistado, entra a vinheta “Vem Comigo!” – alô Goulart de Andrade, olha aí… Muito embora Salette Campari, um ser um tanto difícil, desta vez falou com a equipe.
E a saga de Toninho continua, com direito a agressões físicas. Toninho nem nota que já está todo sujo de tinta prateada. Caramba, quantas horas eles gravaram disso? (Toninho está caminhando para ser o novo Gaúcho, o ex-câmera do Faustão que era zoado todo programa e ele não gostava).
Freddie Mercury Prateado faz um meio que duelo vocal com Mariana Belém, sem querer relembrando a parceria do Freddie original com Montserrat Caballé. Mas com uma música extremamente chinfrim.
Uma curiosidade: a cantora Gottcha revela que Makelelê Prateado participou de um videoclipe seu, antes da fama.
Ah, antes da entrevista pra valer com Aguinaldo Silva, rola uma pseudo-entrevista hilária com um “outro” Aguinaldo, que seria, sei lá, um Aguinaldo Barbosa, assistam que vocês entenderão. E Amaury Jr, o original, aparece para abrilhantar esta matéria. Chega de entrevistas mal-sucedidas, vamos aos merchãs do Amaury Dumbo, que é o que interessa!
A dica de alta gastronomia é morangos com creme.  Só que com um creme mais barato e que é feito no Brasil – atenção para a denúncia, vocês sabiam que todos os chantillys em lata vendidos no Brasil, de qualquer marca, são importados da Itália?… Bem, os morangos com creme aqui não fazem os nossos heróis se sentirem em Wimbledon. Nem mesmo o negócio vermelho com sabor de morango ajuda eles. E vamos de Ypiruêca! Até Amaury “Club A” Júnior e Aguinaldo Silva provam de seu inigualável sabor.
Durante a matéria anterior, o GC dizia “Um salve pro Frajola!”. Humor interno, tão característico do Pânico da Jovem Pan, agora na TV…

Musa da Beleza Interior com Vesgo e Polvilho – e atenção logo mais neste programa, a desphorra desse troca-troca de duplas. Que qué isso, Cátia Fonseca dando dicas de empanado, direto da Gazeta?! O que será que o pessoal da Av. Paulista 900 acharam disso?
E um festival de phiguras e vinhetas. Um rapaz tenta lançar uma nova vinheta, “Rivaldo”… mas deu a impressão de que ele se esqueceu do que o Zina disse. E José Luís, de candidato a presidente, com seu discurso incompreensível à la Lucélia Machiavelli, vira candidato à musa. Resultado, por WO ganha a outra candidata… Eu me borrei de rir só pelo absurdo da situação. Vazou até um comentário do Vesgo ao vivo: “Pô, tinha que ser o Zé Luis!”

Marcos Chiesa y Director Boline em… Dicas de Música?! Um quadro mais hilário do que a média, principalmente pela atuação de Bola como Pablo, um ícone dos anos 80 (fãs da MofoTV e do Silvio Santos acho que vão gostar, só faltou o microfone). As provas são baseadas em letras de músicas e até nomes de conjuntos. Então temos o Pirulito que Bate Bate, Chiclete com [sem] Banana, Velocidade Cinco (a prova mais sem sentido que eu já vi nesse quadro), e Poeira (eu sei o que é isso, já estive em Torres, às vezes bate um vento meio chato nas canelas…) e… Geni. Se você não entendeu a piada, pesquise por essa música de Chico Buarque.

– Pára, seu filha da #$%¨! (Bola)
– EU SOU !!! (Bolinha)

Curiosamente, na prova da “Geni”, Bola provoca o diretor Bolinha (parece que este teria algo em comum com Antonela Avellaneda, ¿capisji?... e este teria reagido como se fosse um empresário de certa rádio FM sita à Av. Paulista 807.). Mas tem mais uma música. No centro de Osasco, Bola concretiza um famoso refrão do Ultraje à Rigor, andando pela rua vestido apenas com um microfone de lapela sem fio. Enfim, um dos quadros mais criativos de todos os tempos, e com uma contundência não muito sanguinolenta desta vez.

Festa de 2 anos de Benício Huck. Uma matéria curiosa, já que não aparece nenhum de seus principais protagonistas, mas tem a nova dupla Sylvio (Ceará) e Santos (Edu Sterblich), que juntos formam… Antsônio Nunez!!
Matéria temperada com trocentos vídeos do YouTube, por falta de convidados que falassem com a imprensa mesmo. (Rapaz, que risada mais escrotal, gente do céu.) Até Lizandra Souto, fora do meio artístico desde mil novecentos e pantanal, foi escalada para salvar várias matérias imprensa afora. Rodrigo Faro saiu mais cedo por causa de uma conjuntivite, noticiada em seu próprio blog. E mais um “vem comigo”: Cláudia Leitte, que já deu extensas entrevistas ao programa, agora está bem cotada na Globo e JÁ É A ARTISTA. CL, pra mim, só em MP3. E não é aqueles do Baixahits. E isso se eu curtisse axé. Enfim. A matéria, mais vazia que shopping center na segunda as 7 da manhã, termina com alfinetadas trocadas entre Sylvio e Santos. “Estreou bem, hein, rapaz?…” (não confundam, o Santos, aquele do narigão, trabalha na Record.)

– Lembra que semana passada o pessoal da Xurupita disse que nunca veio ninguém falar sobre o perigo das drogas por lá? Pois é, agora Sabrina e Alfinete levam a galera da Xurupita para uma palestra da campanha Jovem Pan pela Vida, contra as Drogas. Zina dá bons sinais, mudou de visual e apareceu de barba pheita (talvez ele se tenha achado muito feio no AnimaTunes e no Charges.com.br…) Izilda Alves, da Jovem Pan, conhece Zina pessoalmente. E vamos à Palestra, digo, ao Timão, mano, com direito ao inconfundível flag da Jovem Pan no microfone. Uma palestra de utlidade pública, e com revelações surpreendentes: não existe droga “menos” perigosa do que as outras, e, ao menos segundo o pessoal da JP, não há nenhum motivo positivo o suficiente que justificasse a legalização das drogas! (Motivo para bombar de comentários, e seríssimos, detected). E terminamos com o Michael Jackson da Xurupita. Emílio volta surpreso com o fato de que o auditório pretendido originalmente, de uma escola pública, não foi liberado pela prefeitura. A palestra foi feita em uma escola de capoeira.

– Uma vez que Sabrina conheceu de perto esse drama, e ela bate ponto em Brasília toda semana (até, pelo menos, o pessoal da extrema-direita do PP não assumir a presidência de alguma das casas) ela pergunta aos seus amigos políticos o que poderia ser feito à respeito disso. Muitos elogiaram a matéria da semana anterior. E são cobradas propostas para solucionar esses problemas. Nascem algumas ideias a respeito.
O encerramento da matéria resume tudo: “Gente, do mesmo jeito que começar a usar drogas e parar é difícil, prometer é muito fácil para eles, para os nossos políticos… Agora vamos ver se eles vão cumprir o que prometeram, de ajudar a gente nessa campanha…”

– Sabrina ri no merchã da Suzuki, obrigando Emilio e Bola a falarem as frases dela. Emílio faz questão de deixar isso claro ao telespectouvinte.

O Impòstohrrr, desta vez, em busca de Anahí, a mexicana mais famosa do Brasil (Ei, não era a Chiquinha? Ou a Gisele Itiê?…) Preparem-se para uma narração extremamente inovadora no começo. Uma curiosidade é que o Impostor assume que ele é o Silveirinha da rádio FM, e é mostrado um trecho do programa da Jovem Pan onde ele e Carioca falam um portunhol “abjúrdo” com Anahí (“Isa TKM? No conoco!”, diz Carioca.)
A missão: Mata Hari vai dar de presente a Anahí uma peça de picanha. E a estratégia é inovadora: o Impostor chega de cara limpa, para ser barrado de propósito com o objetivo de facilitar a entrada de sua comparsa. E, adiviñen lo que acontoce?…
Rapaz, é impressão minha ou não tem tanta gente assim no show? Mata Hari consegue ficar, confortavelmente, a apenas uns 3, 4 metros do palco! Mas tudo bem. Hoje Anahí, amanhã Roberto Bolaños (se der tempo, é claro…), Carlos Villagrán, Maria Antonieta de las Nieves…

– Curioso, o Centrum até há alguns anos, era voltado mais para a terceira idade. Agora Luciano Huck, que está longe disso, faz o comercial desse complemento alimentar.

– Conforme observou Homero Salles (diretor do Programa do Gugu e persona non grata no SBT) em seu twitter, o Pãnico na TV foi encerrado 15 minutos antes. Segundo Alan Rapp (ex-produtor e hoje diretor do Pânico na TV), na mesma mídia, o motivo é porquê o Dr. Hollywood, curiosamente, está dando mais audiência agora, na reprise, do que quando tinha episódios inéditos, e o programa ganhou mais espaço. Justus vs. Gimenez é ficinha, briga no Twitter mesmo é entre Homero Salles e Alan “óóóó diretor” Rapp!
E ficamos por aqui. Eu, no meu velho e querido blog, vocês em todo o Twitter, porquê… O Pânico é nosso!! Da RedeTV! e da Jovem Pan, té+ Brasil…

Anúncios

2 Respostas para “Pânico na TV, 8/11/2009: longa-metragem?

  1. Que é isso, Igor. Eu sou um que sempre apareço por aqui, embora comente apenas em um dos posts. Mas sempre leio, e sempre gosto 🙂

    > Brigá-DÚ!!

  2. a materia do josé serra foi mto legal ainda mais o cara com um cigarro foi ,mto parecido com o serra mesmo grande abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s