Arquivo da categoria: TV digital

Band começa a ter mais imagens em 16:9

O programa Jogo Aberto já é transmitido em alta definição, e agora algumas reportagens e links também estão no formato 16:9. Se bem que os links tem um migué, eles são em 720i.
Mas o fato é que a Band, lentamente, começa a migrar para o formato da TV digital. Lembrando que, incrivelmente, a emissora mais adaptada ao formato é a RedeTV!, a única a ocupar a área do pillarbox com texturas referentes ao programa, e a produzir programas inteiros em HD, como o Pânico na TV (na verdade tenho lá minhas dúvidas, porquê eu nunca assisti ao vivo o programa em sinal digital pra ver se é assim).
Por outro lado, programas importantíssimos, como o Jornal Nacional da Rede Globo, ainda são transmitidos em SD e em 4:3, pra vocês verem que o barulho em torno da TV de alta definição é só um traque, o barulho mesmo vai ser quando desligarem o sinal analógico em 2016 e gravadores de DVD começarem a recusar gravações de programas……. VOLTA PRO LINHA DIRETA, MINISTRO!

Para você que trabalha lá, mais do que rolou na HrRrRredetV!

Rapaz, e os colunistas de TV insistem que os funcionários da Pena Azul do Pavão (essa idéia ninguém teve ainda…) foram desconvidados de tudo o que a gente viu ontem! Então vamos lá com mais novidades da emissora que mais dá empregos para cameramen no Brasilsilsil: Continuar lendo

RedeTV! inaugura nova sede, mas sem a gentalha (Sim, babãe! Gen-ta-lha! Gen-tal-lha! Prrrtt!!)

Neste momento, a emissora que parece que só eu assisto neste país, está para completar 10 anos (porquê a RedeTV! como conhecemos hoje surgiu em 15 de novembro de 1999, antes era a misteriosa TV!, uma versão deformada da Manchete) e está inaugurando sua nova, novíssima, novérrima sede em Osasco, perto da Panini. Que está em atividade desde janeiro deste ano. A sede atual é só 6 vezes maior que a antiga, aquela que você ficou conhecendo gracças á João Kleber e suas correrias pra fora do estúdio A veião de guerra – aliás, como está esse lugar (Rua Bahia, 406) hoje em dia, hein?…

Ah, o porquê do título? È que a inauguração está se dando SEM OS FUNCIONÁRIOS, que desde a 1h da tarde de hoje estão em casa. Sei lá então quem está pondo a emissora no ar, possivelmente uma pequena fração deles. A menos que isso seja intriga da oposição (que nem o lance dos bebedouros com água racionada no RecNov e o até agora não explicado pilar no meio de  um dos estúdios novos da RedeTV!).

Rita Lisauskas e Augusto Xavier apresentam um meio que plantão da inauguração, na nova redação do JN, digo, do RedeTV! News, com uma bancada giratória… Só quero ver como eles vão fazer com os teleprompters.
E nessa redação do jornalismo dá pra se ouvir PERFEITAMENTE os helicópteros chegando….. E, craro, gaphes à granal, assim como nas coberturas de Carnavel. Afinal, esse é o padrão RedeTV! de calidad! (Bom, pelo menos desde que estreou o logo atual, em 2000).

Uma reportagem fala, orgulhosamente, que as pessoas podem assistir o sinal da RedeTV! em todo o país via parabólica. Faltou avisar que ninguém vai ver os desenhos japoneses, e sim uma tal de iogurteira ou coisa que o valha…

A cerimônia de inauguração será no Estúdio G, com 1500 m², que curiosamente passa a ser o maior em atividade no Brasil – nem a Globo teve essas idéias na construção de novos estúdios do Projac, nem a Record com o RecNov. Quem era adepta de estúdios grandes, todos nós sabemos, era a Rede Manchete, para as novelas.
E a  emissora conterrânea do SBT (que também fica em Osasco) não esconde a pretensão de fazer teledramaturgia nesse estúdio. Um plano antigo da emissora, já ouvia falar de uma certa sitcom da Luciana Gimenez desde quando eles estaam na Rua Bahia, mas a única coisa que eles fizeram até agora foi a malphadada Vila Maluca, com um pouco mais de orçamento que Hermes & Renato.
(Aliás, já imaginaram uma novela RedeTVística? A novela teria apresentador dando o resumo, GC pedindo pra ligar pra número de celular e merchãs nos intervalos. A MENOS que eles estejam pensando em fazer diferente uma vez na vida!) E assim como eles, já já tem mais dessa nova fase da RedeTV! (Será que o Pânico na TV vai destacar as inúmeras gafes da cerimônia, assim como fez com as coberturas de carnaval da própria casa?… Acho que sim, já que eles andam sem muitos assuntos sobrando…)

A propósito: Faça como o Pânico na TV! E não fale mais o nome da S****! Prontonãofalei!

Tchííííííí…

No Brasil, é o nome de um dos produtos da linha Maggi, da Nestlé. Sei lá pra que servia, porquê não acho no site da empresa.
E nos EUA, é o que muita gente vai ver e ouvir na televisão a partir de hoje, porquê o sistema NTSC, dentro do país que o inventou, MÓ RRÉU! Dando lugar ao infame  -para nós, que não moramos em planícies imensas – sistema ATSC de televisão digital, que por pouco não foi adotado no Brasil (este sistema forçaria as pessoas a instalarem antenas muito altas para receber o sinal).

Segundo inphorma o G1, pelo menos 2 milhões e meio de pessoas estavam completamente despreparadas para a TV digital. Sei lá quantos deles assistem via conversor e quantos assistem em televisores com sintonizador embutido. E HrRrResta agora à essa galera aí correr atrás de um sintonizador ATSC – e de uma antena das boas, porquê senão não vai pegar todos os canais, falo por experiência prúêpria, até hoje não consegui ver a TV Cultura. Isso de ficar sem ver um dos canais abertos por pegar mal é muito, como direi, analógico…

O sistema ISDB-T (não confundir com certos partidos que andam reinventando a realidade em comerciais por aí) usado no Brasil (e que o Peru está querendo usar também), por incrível que pareça, é mais moderno que o ATSC. Este usa compressão MPEG-2, enquanto que o ISDB-T usa MPEG-4, mais avançado, além de poder também ser usado para transmitir dados. Enphim, é uma festa pobre que os homens armaram pra me convencer (deixa pra lá que este blog já foi muito procurado justamente por essas palavras, mas vocês entenderam. Muito se fala de democracia digital, e, cá pra nós, democracia mesmo é a Coréia do Norte…)

E pra relaxar e esquecer essas bab©seiras, pesquisa na área pra vocês, finalmente aqui, neste que é o nosso blog de maior audiência.

E aí, TV Digital?… E coisa e tal

No meu quarto eu assisto la desgraciada della NET Digital. E no quarto ao lado, a galera assiste… TV digital, de verdade, sistema SBTVD (possivelmente uma palavra que nunca ouviremos na Globo…), através do conversor HD-1018 da Aiko, um dos mais baratos (e talvez por isso só um pouco menor que um videocassete). Então, como é essa tal de TV digital?

Bem, primeiro: foi dureza achar uma antena de novo, pra ligar no receptor. Faziam mais de 13 anos que a gente não assistia televisão com antena em cima. Mãns, depois de gastar un poco más, compramos uma antena de televisão, que aliás, na caixa já diz que serve pra digital. Essa galera parece estar ressurgindo das cinzas, é o tipo de antena que se usava pra TV analógica na “era Itamar”…

Todos os canais tem os números que a gente já conhece – na verdade, esses números seriam “apelidos”, por exemplo, 5 em São Paulo seria a Globo, mas a frequëncia do digital não tem nada a ver (canal 18 UHF), e por aí vai. Os canais tem um sufixo: 5-1, por exemplo. Isso seria a multiprogramação, que admitiria 4 canais ao mesmo tempo, mas o uso disso no Brasil está em suspenso porquê cogitou-se que emissoras menores, sem condições de transmitir em HD, vendessem toda a programação nos canais restantes e transmitissem no 1. A única emissora que estava usando multiprogramação, que a gente conseguiu assistir, foi a Gazeta, que transmitia o BestShopTV no 11-2 – curiosamente com uma imagem muito boa na programação principal e razoável no segundo.

O aparelho mostra na tela informações sobre os canais, mais ou menos como na Net Digital. Se as emissoras transmitirem essa informação, sai até o nome do programa.

Uma curiosidade que se nota desde o início é que as emissoras tem selos diferentes em HD. O da Globo fica fora da área visível em um televisor comum. A Band coloca o selo à esquerda, na área do pillarbox (e a propósito, uma ligeira decepción, desde 1998 a Band tem uma qualidade de imagem excelente por terem trocado de câmeras, mas todas elas são 4:3 mesmo…) E, na maioria das vezes, esses símbolos são tudo o que se pode ver em alta definição na tela… poucos programas são em HD, entre eles a novela das 8 e a maioria dos programas de auditório do SBT, excetuado o programa Sílvio Santos, que não gostou do resultado dos testes… [Ei, aquelas câmeras gigantescas que eu via em 1997 nas vinhetas NÃO ERAM EM HD?…]

O Jornal Nacional véio de guerra ainda não é, possívelmente eles passem a ser em setembro quando eles vão mudar de cenário. Transmissão de futebol e carnaval são mistas: algumas câmeras ainda são em 4:3 SD (e ainda assim, essas já custavam o preço de um carro com ar condicionado!…) Em compensação, o estúdio do Jornal da Band é em HD, mas alguns videografismos como os da previsão do tempo não são, senão eles teriam que comprar uma placa Radeon 9700 e instalar em um servidor da IBM refrigerado à água. Segue, ténica, segue.
Comerciais também ainda não são em HD, mas não duvido que eles acalentem essa possibilidade para um futuro próximo, ainda mais quando uma das principais empresas de telecinagem do Brasil, que atende ao mercado publicitário, a Casablanca, foi uma das primeiras a ter equipamentos de alta definição – eles fizeram (mas não gostam de lembrar) a novela Metamorphoses (e ainda reclamam dos mutantes, tsc, tsc…)

A única emissora que vem se esforçando pra valer na transmissão em HDTV, por incrível que pareça, é a RedeTV!, que inphelizmente não pega muito bem no digital aqui em casa. Até programas que NÃO MERECIAM (como o de la Sónia Abrón), estão lá em 16:9, e quando entram as matérias, uma textura ocupa o espaço nas laterais. Pouquíssimas reportagens externas são em 16:9. Em muitos programas dá pra sentir o baque de como era a resolução da imagem analógica, é o caso de Chaves, Chapolin e Dona Beija, com qualidade de imagem comparável a dos episódios mais novos destes. Ou nem tanto: o Canal 21 digital (sim, existe!) transmite toda a programação da Igreja Mundial, que passa longe do digital, o que nos lembra que a tal da fantástica, wow, TV Digital é… a TV aberrrta vèia de sempre, de Gugu, Faustão e outros. Se bem que a TV a cabo hoje em dia também não anda nenhuma flor que se cheire. Ou que se prove, como naquela infame animação do Humor Tadela… deixa pra lá.

O HD-1018 também capta os sinais em 1SEG, que são os mesmos sinais das emissoras, mas em baixa definição (estilo YouTube nos anos dourados) para se assistir em equipamentos portáteis. Equipamentos esses que mal existem no mercado brasileiro ainda, mas que eles juram que já já vai dar pra ver no celular e em espécies de videowalkmans. O 1SEG, em alguns casos, pode servir caso a transmissão tenha… interferências. Sabe quando a TV a cabo digital “dá pau”? É exatamente assim as interferências do SBTVD. Mas no meu caso não serviu pra nada, já que a TV Cultura, a única emissora que não conseguimos assistir, não foi encontrada em nenhum dos dois casos.
Teoricamente, todas as emissoras de VHF e UHF estão no espectro digital, mas só conseguimos, por enquanto, assistir as mesmas que assistíamos com antena (menos, até, dava pra ver a MTV). Não sei se as transmissões já estão “à toda” ou ainda não, é capaz de algumas dessas emissoras nem terem iniciado as transmissões. Essa é a tal da TV digital ! Skavurzka!

Sacanárre! Multiprogramação de TV Digital não é mais permitida no Brasil

Segundo inphorma Daniel Castro, da Pholha de São Paulo, o Ministério das Comunicações proibiu a multiprogramação de TV digital.
A única multiprogramação que eu conseguia ver atualmente era da TV Gazeta, que no “11-1” passava a programação normal, e no “11-2”, o BestShopTV. A MT-Não-Te-Ví e a TV Cultura tinham planos de fazer multiprogramação, com FizTV e telecursos durante o dia.

O motivo seria o seguinte:  no Brasil a TV tem horários ociosos, que são vendidos sem dó nem piedade para igrejas (no qual eu discordo) e televendas (concordo em gênero, número e grau). Se bem que eu acrescentaria falcatruas telefônicas como Hyper QI, Insomnia e assemelhados, e pessoal ainda tem a pachorra de descer a lenha nas coitadas das igrejas…
Essa capacidade ociosa faria os donos das emissoras simplesmente alugarem os 3 canais restantes e transmitirem em SD (standard definition, imagem como a de um DVD) só em um deles, ganhando dinheiro na maciota, com merchans 24 horas em três canais.

Só quero dizer que o Ministério das Comunicações se pherrou de azul, vermelho e branco. Enquanto vocês não fizerem um aporte de capital de 250 milhões de dólares para a NGT, Canal 21, CNT, TV Gazeta e RedeTV!, esses programas vão continuar tranquilamente no digital, e brevemente em alta definição. Talvez até invadindo emissoras como Band e SBT, que vivem na corda bamba. Quem viver verá, que não foi em vão.
[UPDATE: As emissoras não gostaram nada dessa história e reagiram unânimes contra essa história. O Ministério das Comunicações acabou fazendo uma meia-volta atrás e disse que vai regulamentar como poderá ser a multiprogramação das emissoras de televisão. Melhorou um pouco…]

Em tempo, assisto TV digital através do receptor Aiko HD-1018, maior que os meus vídeocassetes, mas que funciona. O chato é arrumar alguma antena interna que preste, já que você jogou todas elas fora quando assinou a TV à cabo…

Aproveitando a deixa: Tem uns comerciais rolando por aí, falando de “democracia digital”. A democracia de Hugo Chávez é mais democrática que isso aí!! E desta vez não falo da RCTV.
Alguém já avisou o pessoal que, fora não ter mais multiprogramação – que em tese, criaria novos “players” no mercado de comunicações sem serem das “nove famílias” (Frias, Marinho, Civita, Saad, Abravanel, Mesquita…), a TV digital ainda tem proteção anti cópias e anti gravação (exigências do mercado norte-americano) – que eu não duvido que provavelmente poderá ser usada de forma permanente e indiscriminadamente em todos os programas? É por essas e outras que eu ainda gravo o Pânico em VHS…

O Cardoso do bem

Depois de Augusto Xavier e Marília Gabriela, mais um jornalista foi visto cantando por aí: Celso Cardoso, da TV Gazeta. E no programa “Pra Você”, que já apareceu no “top five” do Custe o que Custar umas duas vezes. Pelo menos ele não canta mal (dscurpaê Xavier, mas assim é)! Aliás, em 1995 tinha um comercial de um shopping center onde alguém cantava a famosa música “Mamãe” do Agnaldo Timóteo, e eu achava aquela voz familiar…

O mais curioso vem agora. Já ouviram falar de “seis graus de separação”? Pois é. Celso é fã da banda inglesa The Mission (talvez você já tenha ouvido por aí músicas como “Severina” e outras) e é mais ou menos próximo de seu vocalista, que mora no interior de São Paulo e só sai de lá para as turnês da banda.
E eu mesmo o conheci pessoalmente, porquê ele fué um dos meus professores no curso de locução que eu fiz no Senac em 1995! Não passei (só aconteceram uns pequenos contratempos, como o meu pai ter falecido durante o curso, ninguém soube disso), mas 5 anos depois, com o centro de comunicação e artes do Senac em outra sede, tornei-me editor de imagens profissional, portanto, o Senac está bem na phita. E de lá pra cá ele cresceu pra caramba na emissora, sendo atualmente um de seus principais apresentadores.