Arquivo da tag: Casos resolvidos

Hoje tem! Trofeu Imprensa, no SBTemm!

Hoje, as 7h45, se o SBT cumprir os horários, tem o Troféu Imprensa, apresentado pela lenda, pelo mito, pelo Mythbuster Silvio Santos. Para quem gosta, olha aí – e em breve, na Rádio Salt Cover, aguardemmm! (Quer dizer, aguardeptptptpt, não gosto do outro partido!)
E craro, a partir das 20h45, mais um Pânico na TV. Que já tem uma matéria presumida: um cara que usava uma peruca começou a dançar atrás de César Tralli em um link ao vivo, no fórum da Barra Funda, quando o preclaro HrRrepórter cobria o julgamento do casal Anna Carolina Jatobá e Alexandre Nardoni. O “careca dançarino” foi tirado de cena por produtores da Globo de uma maneira, digamos, contundente, mas coerente com a situação. Muitos se perguntaram se isso tinha algo a ver com o Pânico na TV, com o Impostor, alguma coisa assim. Será? Já já vamos saber.
[EDIT: Nada a ver. Trata-se de um operador de telemarketing em um protesto isolado contra o “circo” da mídia em torno do caso.]

[2008] Pânico na TV: a volta dos que não foram

O Pânico na TV mais uma vez decepcionou quem esperava ver “aquele” Pânico dos gloriosos anos dourados (2003-2005) ou mesmo aquele que saiu de férias no final do ano passado.
Esperei um pouco pra escrever isso aqui, porquê queria ver a opinião do público no blog oficial do Pânico e em outros sites, e é mais ou menos a minha: eita programinha ruim, sô!! 10 de fevereiro de 2008, talvez um dia a ser esquecido na TV brasileira – embora perca feio para aquele dia do Latininho e Dercy Gonçalves no Sai de Baixo, em 1997. Como diria Ademir do Arari, vamos por pástes:
– Me enganei. Bola fazendo sotaque japonês com a luta do peixe, semana passada, estava engraçado sim. O que não teve a menor graça foi esse quadro do teste das calcinhas, mesmo com um monte de beldades na tela – qual é a graça se todas elas esboçam emoções extremas?… E a Tânia que saiu de carro da reportagem, chorando?… Há boatos de que há “alguém” desse time que não é o zero-dois, mas está pedindo pra sair. O quadro nem parecia do Pânico na TV: com meia dúzia de palavrões a mais poderia ser algum programa qualquer da MTV. Ah, detalhe: Bola já me fez rir muito com seu mau-humor, ele não é ruim não, foi o quadro mesmo. Sei lá. [EDIT: Tânia realmente saiu do programa, e podemos dizer que tudo começou neste quadro.]
– O programa tapou um espaço ANIMAL com o quadro do “repórter” César Polvilho, em plena quadra da Gaviões da Fiel, tentando fazer entrevistas nas quais ele e os entrevistados não se entendiam por causa do barulho. O chato desse quadro é que ele mostra o comodismo da emissora, por ser extremamente fácil de se fazer (é que nem aqueles programetes da Rede Record com auditório e as mesmas provas dos programas infantis da Eliana…) Talvez esse quadro tenha tido mais de meia hora no total. O “repórter”, segundo mais de um telespectador percebeu, é um integrante do grupo de humor Dez Necessários. [EDIT: Edu Sterblich se tornaria, apesar desta estreia meio esquisita, uma das estrelas do Pânico na TV, saindo daquele grupo. Os outros integrantes, em 2010, iriam para a MTV.]
– Vesgo continua um mala sem alça no palco. A senha: gravata na testa, sinônimo de matérias sem graça. Talvez nem ele tenha percebido isso ainda… Ê saudades do Descontrole. Aliás, muita gente detestou a idéia dele de sacanear o musical do Carioca e gostou que este desse o troco. Sacanear o Capitão Márvio a essa altura do campeonato, sem Vinícius e Carlinhos, é abalar ainda mais os alicerces do programa! [ A partir de 2009, finalmente a situação de Carioca se estabilizou no programa, com a estreia em definitivo do “Amaury Dumbo”. E tenho saudade até dessa época, comparado com o “Vesgo Vidro de Catchup” que se desenharia daí em diante. Pena que não há nenhum grande patrocinador internacional que use a cor azul, senão…]
– Mais um Vô ou Num Vô, digo, Baixas Horas, com Serjeta Grôisman e Xupla. O nome do quadro agora é “24 Horas”… E uma novidade um tanto bizarra: Xuplinha, uma versão miniaturizada do conquistador vivido por Daniel Zukerman. O quadro já é bem mais rápido do que antes, sem aquelas músicas dos anos 50 na trilha sonora.
– Durante o programa, uma interminável discussão: o público deveria decidir – curiosamente, via blog oficial do Pânico, até então jamais utilizado para o Pânico na TV ao vivo – se Sabrina Sato deveria vestir um “tapa-sexo” ou um band-aid (“penso rápido”, para nossos leitores d’além mar). Adivinha qual das opções ganhou? A segunda, mas muita gente reclamou que a emissora não mostrou as imagens de Sabrina com sua “lingerie” da griffe Johnson&Johnson. [Essas imagens existem, a questão é, foi no ar na semana seguinte ou só foi pro arquivo morto?]
– Christian Pior e Robaldo Ésperman vão à um baile de máscaras ou coisa que o valha. Participação especial de Glória Maria, aphanando o leque de R. Ésperman !!… É mole?! (Deveria ser o ponto alto do programa, mas não sei por quê, acabou não sendo…)
– Mais um tapa-buraco: Los Corneteiros, uma versão requentada do Homemgafone. Que caras mais chatos, esses aí empatam com o Vesgo no palco. Ah, uma coisa: a RedeTV!, “100% HD,” fez esse quadro, nítidamente (olha a ironia), com uma câmera com menos de 500 linhas de resolução. [Esses ficaram arquivados, mesmo.]
– Vesgo e Sílvio tentaram fazer o “Pedro di Lari” no sambódromo. Mas antes de chegar nesse ponto, rebobinei a fita e fui dormir… aparentemente, pelos comentários, foi tão revoltante quanto o cerceamento do trabalho de Merchã Neves e Calça Grande nas dependências do Palmeiras, fato pelo qual o clube está impune até hoje (saudaaaaades de 2003) e que praticamente acabou com as matérias do Merchã Neves – desde então eles só passaram a cobrir a seleção brasileira. [Eles não conseguiram entrar no sambódromo. Não sabia que o sambódromo ficava nos Estados Unidos!]
– Aliás, o público está sentindo falta de outras imitações de Oéééélington Muniz que não Don Sílvio, o Barão da Anhanguera. Essas imitações poderiam tapar os buracos do programa com asfalto de autódromo de Fórmula 1…
– Curiosamente, os merchãs até que estavam comedidos nesta edição do programa (parece que foram uns 5 a menos), bem que eu estranhei que Emílio e Sabrina estavam discutindo demais… sobrou tempo, mesmo com o tal do Lance [Im]Perfeito.

Como diz o Datena, “Acorrrrda, Emilhaça!!” Better luck next time, Pânico na TV.
Os caras ganham bem demais pra fazerem só isso…
(E depois que eu escrevi tudo isso, teve volta…)
PS: Caramba, acho que eu não sirvo pra ser crítico não. Segundo o Ånđirøßa, do Blog dos Ouvintes do Pânico, o mesmo programa que eu desci el sarrafo aqui foi… bom!!! É mole?! Mais um pouco e será… (blog sem links para as postagens, procure por 11/02/2008)

O DIA DE MACHO DE CHRISTIAN PIOR: EVANDRO APROVOU
Mas fica para o final este quadro que chamou a atenção: a pseudo-volta de “Um Dia de Macho”, com Alexandre Broca – desta vez, interpretado por Carioca (era Vinícius que fazia o personagem), e com uma vítima da casa. Que talvez muitos achem que andava merecendo mesmo um quadro desses: o atual “darling” do Pânico, Christian Pior… O quadro tinha um clima um tanto tenso, diferente das matérias geralmente vistas no programa e/ou protagonizadas pelo personagem de Evandro Santo. Aqui, Christian Pior enfrenta aulas de artes marciais, joga pelada, é massageado pela Piu-Piu e ao final corre de baratas – e aqui se nota que o editor que foi para a Record começa a fazer falta, porquê essa montagem não convenceu…
Na verdade, o verdadeiro sentido de tudo aquilo foi esclarecido pelo próprio Evandro em seu blog, Ovulando. Confira, que é no mínimo, surpreendente…

Apelação, dubladores, desenhos… ê post eclético [2006]

Eu tava doido pra escrever isso aqui, mas só deu agora que já foi.
Usufruindo de seu novo contrato com a Disney, a Globo coloca a série de desenho animado A Pequena Sereia no TV Xuxa, um programa que, vadjame Diôs, se todo mundo queria que o Tarde Quente saísse do ar, esse mais ainda. E no entanto esse continua aí, é a triste sina dos programas de humor na TV brasileira. Mais um pouco e eu vou tuxar o meu novo site de vídeos humorísticos, porquê essa seca de humor eu não aguento mais! Mas vamos ao reino encantado de Maria de las Gracias Mennegell.

Digamos que agora eles apelaram. Essa série pode ser considerada… eu, aliás, a considero o desenho animado mais sexy de todos os tempos. Tá legal, Betty Boop e Jessica Rabbit (só conheço um pouco melhor a JR) emparelham, mas o traço perfeito dos animadores japoneses que produziram a série entre 1990 e 1994 faz a sereia Ariel parecer simplesmente “a mulher perfeita”, embora não se veja bem suas pernas… E depois falam de los animès, minha gente (não, não sou otakoo, muito pelo contrário).

Infelizmente não se encontra quase nada dessa série na Internet em matéria de imagens. Quem quiser entender o que eu estou falando vai ter de… ârgh… assistir a baghassa. Mas se você tiver peoplemeter do Ibope em casa, eu sugiro ligar no SBT!

Ariel foi baseada em uma pessoa de verdade, a atriz Sherri Stoner (não confundir com Sharon Stone, esta aqui é ruiva), que além de seus apenas 3 filmes, é um nome muito mais conhecido por ter escrito episódios dos desenhos animados Tiny Toon e Vida de Cachorro (neste ela devia ter uns 8 anos), produzidos por Steven Spielberg.
(Sherri também foi modelo para a Bela, será por isso que gosto tanto das duas?…)

Outro atrativo da série é que ela tem uma dublagem mais parecida com a do longa-metragem visto no cinema, onde Ariel tem a voz de Marisa Leal (Baby Sauro, Brenda Walsh, Pamela Anderson e a primeira versão da Xuxinha). Uma voz que, pelo amor dos meus philhinhos, cai como uma luva na personagem e a deixa ainda mais atraente! (Ainda aposto em Marisa Leal pra ser a voz da Rosalyn…) A dublagem que o longa-metragem ganhou no DVD ficou muito abaixo da versão do cinema, para desesphero dos fãs e alegria de quem conhece alguma empresa de telecinagem paraguaia ou algo assim.

O curioso é que a série já foi exibida pelo SBT em 1997 e não fez tanto sucesso quanto sua qualidade merecia. E olha que estamos falando do SBT pós-1994, com qualidade de imagem muito melhor. Eu não sei por quê a Disney resolveu dar marcha-a-ré em seu processo produtivo nos anos seguintes, principalmente depois de 1995, para fazer desenhos mais aparentados do Cartoon Network (com um traço mais rebuscado, trash, sei lá) e tremendamente mais inferiores aos próprios e aos do CN.

Ah sim: se a Globo quiser ter mais audiência ainda, eu sugiro que exibam TODOS os quatro anos da série, aposto que o SBT não deva ter chegado sequer a dois.

Mas Marisa Leal tem uma séria rival no mesmo programa… a dubladora da Robô Adolescente (que também foi a Queridinha da série 101 Dálmatas e uma das Meninas Superpoderosas, infelizmente até hoje eu não sei quem é quem) um desenho que os telespectadores do Nickelodeon já conhecem há muito mais tempo. Digo com todas as letras: esse foi o único desenho com traço “modernoso” (Shin Chan não vale, é animè) que conseguiu me conquistar! Enquanto cartunista, eu persigo muito mais o estilo caxias de A Pq. Sereia. Mas gostei dessa série.
Não sei quem é a dona dessa voz, mas ela tem uma atividade curiosa no currículo: em 2002 ela já dublou algumas charges do Charges.com.br, ao lado de Maurício Ricardo, e depois saiu. Infelizmente as charges não estão mais disponíveis, porquê o site guarda até 2 anos de produção. Uma das charges inclusive, remetia a um de seus personagens, era “As Propinas Supervergonhosas”, onde ela dublava uma versão ultra-estilizada de Rosinha Matheus. Mais uma na fila pra ser a Rosalyn!
[EDIT nov/2009: Nessa eu caí do cavalo, e olha que eu sou bom de ouvido. As vozes em Charges.com.br são sempre de Maurício Ricardo, às vezes alteradas via software, e muito raramente, de alguns de seus outros colaboradores (Fernando Duarte, Fred e Da Hora – tá vendo? Eu sou nerd!). Maurício, sem querer, acabou fazendo uma bela imitação da voz de Christiane Ribeiro naquela charge. As charges podem ser todas revistas agora.]

E o programa conta ainda com um reforço de peso: Timão e Pumba, uma das séries de desenho animado que eu mais acompanhei no SBT, dublada por Pedro Lopes (o Melquisedeque da dublagem brasileira) e pelo “casseta” honorário Márcio Ribeiro.
Os personagens são ótimos (sou phanzaço sobretudo do Timon, alguém já notou como é a cara da Rosalyn?…), a série nem tanto, mas ainda assim, é daquelas que você fica com raiva que os animadores não dão UMA tremidinha em suas canetas!… Deve ser vetorial a baghassa. [EDIT: Lamento lhe informar, Igor C. Barros, mas nesse caso é muito grande a chance de não ser. Chora coração, lelelê lalaiá, passarinho na gaiola feito gente na prisão.]

E agora? Será que com todos esses desenhos a coisa agora vai, e MGM [não confundir com o estúdio de cinema que em 2009 está vendendo o almoço pra descolar a janta] deixará de sobreviver por aparelhos na TV brasileira? Será que finalmente os videntes vão deixar de dizer que Marlene Mattos é o lado esquerdo do cérebro de MGM, que as duas precisam se unir feito os poderes do Capitão Planeta? Será que uma MGM sozinha, à lá Shirley MacLaine poderá conquistar as crianças do século XXI e dos anos 10? Não perdam os próximos capítulos!

Que raio de site é esse?! [2005]

http://www.redemanchete.com.br/
É isso mesmo! Procurando pelo logo da phalecida emissora, dei de cara com esse site, que me parece extremamente atual… Sei lá, parece que vai estrear… Não tem cara de site abandonado.

Alguém sabe se o site é da emissora mesmo (massa falida)? Ou será que foi comprado por aquele cara que – bem, aí eu preciso pesquisar melhor – um dos sites de fãs da emissora diz que um empresário quer comprar e voltar com a emissora, cujos funcionários e instalações estão aí até hoje. Ou melhor, nem todos: os logotipos do prédio da emissora aqui em São Paulo foram para o ferro-velho em 2001.

Só se “isso aí” foi a última fase do site da emissora – sabe, logo antes de produzir “Brida”. A novela teve três capítulos: o terceiro e último foi uma edição de imagens dos anteriores e contou com a participação de Augusto Xavier no elenco. Ele mesmo, o apresentador do “Jornal da Manchete”.
Engraçado, tendo internet desde 1997, nunca pensei em ir no site da TV Manchete, pra saber se isso foi o último HTML produzido pela emissora.
Para o site de uma emissora que não existe há sete anos, até que está muito bem conservado… poderia ser um festival de links quebrados de figuras e HTMLs, mas não é nada disso.

O que me faz pensar que isso aí é atual é o registro do domínio redemanchete.com.br, que não está em nome de nenhuma empresa da Bloch, é uma empresa que eu nunca ouvi falar. Que pode ser – não sei – a empresa daquele empresário que queria voltar com a emissora.
Só sei de um negócio. Do jeito que as coisas tão indo hoje em dia, mesmo sem espaço no dial, seria interessante a volta da Manchete. Muito melhor do que a volta do Fusca.

[EDIT: O site era para lançar um livro escrito por Elmo Francfort, Rede Manchete: Aconteceu, virou história. O livro foi lançado no ano seguinte por uma editora inesperada, a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Aparentemente o livro deve ser muito bom, e seu achar-lo, comprar-lo-é.
Caso resolvido!]
O Internet Archive , que cobre atualizações desde 1996, mostra que a emissora, incrivelmente, nunca investiu na Internet, e nunca teve um site. Também, a besta aqui, com Internet discada em 1997, nunca procurou, dâah! O site em questão surgiu em 2004, já sendo relacionado a esse livro. Já o domínio http://www.manchete.com.br pertencia ao site BrFree, e atualmente dá listagem de diretório.

[2005] PLANTÃO: Michael Jackson foi absolvido!

Sim, Michael foi absolvido pelo júri! E agora eu quero ver como é que ficam os dois videntes que inflaram as audiências de Tarde Quente e Superpop no começo deste ano, que disseram que Michael seria condenado e iria se suicidar!
Michael, aproveite a segunda chance que Deus te deu y no haga más besteras, rapeize! Who’s good?
“Don’t think twice! Don’t think twice! Úúúú”

Apesar disso a produção do Tarde Quente deve estar em festa, porquê desta faz parte Dirceu “Jackson”, considerado o maior fã do Michael Jackson no Brasil. Dirceu produziu e apareceu em várias pegadinhas da RedeTV e até chegou a estrelar uma delas. E dá-lhe Michael, afinal, convenhamos, de grandes mitos norte-americanos já basta o Érvis!

Ascensão, queda e apogeu: Rafinha e Muyloco não estão mais na ALLTV [2005]

Gente do céu, como as coisas mudam… Em 2003 eu concedi, como webmaster do site Tinha que ser o Chaves, uma singela entrevista ao Rafinha (da Página do Rafinha) na AllTV, onde dali em diante comecei a prestar mais atenção naquela pequena e singela emissora (que usa câmeras da JVC e switchers da Videonics, presentes em vários vídeos de casamento e afins).

Uma emissora curiosa: ela ocupa toda uma casa de dois andares, e tem dois estúdios “oficiais”, mas pode-se usar qualquer um dos ambientes da casa (menos os banheiros) para se fazer um programa de televisão. Nos “quartos” há balcões de telejornal de diferentes formatos, sofás, poltronas, tudo como se fossem “cenários”. Há até mesmo um pequeno auditório pra umas 70 pessoas, todo com cadeiras de alumínio. A cozinha é usada para se fazer programas de culinária e para o lanxim mesmo, dos funcionários (e não é “a cozinha perfeita”, estilo Ofélia, é que nem a cozinha da casa da gente, meio sujex).
É engraçado, já quis que a minha própria casa fosse assim (costumo fazer uns videozins de quando em vez, até pintei a parede do meu quarto de verde pra fazer chroma key), mas Alberto Luchetti e Marcos Barrero (ex-diretores do Domingão do Faustão) concretizaram isso antes na AllTV.
Conheço essa emissora bem porquê tive de circular por quase toda ela procurando os banheiros, no dia em que dei a entrevista… mas não os encontrei!!! ärgh! Acabei estando em quase todas as futuras locações do “Sobretudo na TV”.

Rapaz, como o mundo girou desde então, porquê Rafinha e seu parceiro de produções MuyLoco não trabalham mais naquela emissora (que FINALMENTE atualizou aquele site desgraçated). Não sei foi pela porta da frente ou se eles viraram colegas de Blog and Roll, Marina Machado e Cristiano Blota (sim senhor, pensa que eu não sei das coisa meu fio? Não quis ler meu curriculum, danôse)
Aliás, passei a ter imagens preciosíssimas no meu acervo, as imagens de algumas sátiras do programa Sobretudo na TV, criado em “homenagem” a saída de Sílvia Abravanel da emissora…

A fila andou. Rafinha agora aparece em vários comerciais de TV, dos bãos – uma carreira ascendente, seu segundo comercial já tinha falas, e não dubladas! Seu site continua popular (chegou até a ficar lotado um dia desses), e seus videoclipes já chegaram a frequentar o saudoso Canal Aberto e deram uma passada no Vitrine (o que lhe rendeu elogios do mestre Marcelo Tas, pioneiro da produção de vídeo no Brasil!) e recentemente “Festa no Apê” foi exbido no Pânico na TV. O videomaker também dá o ar de sua graça na festa Trash 80’s.

Mas o que mais me surpreendeu foi o destino de MuyLoco. Da pequena AllTV ele foi direto para a estratosfera: ele apresenta um quadro dentro de um programa no canal Multishow!!! Pelo jeito o que têm chegado de ‘bananas’ lá na Abílio Soares não tá no gíbi… A emissora fica no Paraíso, mas citando Gilberto Gil, o ex-apresentador deve andar dizendo que é da Freguesia do Ó, ó, ó…

Parabéns pra eles. Prossigo fã de ambos. Espero algum dia também chegar lá, com argum site do tipo igorcbarros.ru ou algo assim que dê pra hospedar [da bicicreta são azur] Mp3 e vídeo, nem que eu tenha que pagar em euros. Porque a busca do eldorado da hospedagem na Internet continua. E algum dia, o sol ainda há de brilhar outra vez…
[ EDIT: Na época em que este post foi escrito, ainda não havia YouTube, e serviços de hospedagem de arquivos, como Rapidshare e Putfile estavam começando ou em fase de testes. ]

[ UPDATE: MuyLoco passaria a apresentar um programa exibido pelo canal Multishow, encerrado em 2008, ano em que Rafinha Bastos, que já havia se tornado muito mais famoso como comediante stand-up, torna-se um dos principais apresentadores do programa CQC, ao lado de Marco Luque e Marcelo Tas. ]